Teatro

Cartaz mupi pea mulher MAIO2021 web

18 de maio, 21h00

No centro da peça “Mulher”, da autoria do figueirense Miguel Babo, está o drama da violência doméstica vivido em Portugal. A violência doméstica sobre a mulher é o centro do conteúdo semiótico da peça e todas as mensagens periféricas que dinamiza, como a música, os cenários que vai buscar ao “Museu” ou a arte plástica que traz consigo, reforça a mensagem central da peça.
A peça junta, como já é habitual no autor, o teatro, a dança e a música tocada e cantada ao vivo, num espetáculo que vive de emoções. Os quadros cenográficos com peças museológicas e obras criadas pelo escultor Custódio Almeida são outros dos elementos marcantes deste espetáculo.
Uma peça para ser vivenciada e não descrita.

Esta peça realiza-se no âmbito do Dia Internacional dos Museus.

Intérpretes: Teresa Côrte-Real, Cláudia Semedo, Paula Sá, Roseli Paraguassu (bailarina), Carla Bernardino (soprano), Cláudio Vaz (pianista)
Encenação e Texto: Miguel Babo
Coreografia: Máximo Zequeira
Duração: 0h50
M 12 anos

A entrada é gratuita mediante levantamento de ingresso na bilheteira do CAE

 

 

Cartaz Hedda Gabler

23 de maio, 17h00

Hedda Tesman. Esposada e já enfastiada. Anseia pela beleza no trivial.
Através de uma peça icónica escrita pelo pai do realismo, avançamos sobre gestos distintos de olhar para a cena. Em passos calmos, mas firmes, caminhamos em direção à liberdade; como quem se afasta progressivamente da realidade, da identificação, para um lugar de abstração. Alguém que caminha para o fim afasta-se, ou aproxima-se, necessariamente do real.

"As melhores coisas, e as mais significativas, que Ibsen nos deu são o impulso no sentido da verdade num tempo artisticamente inverdadeiro, o impulso no sentido da seriedade num tempo artisticamente superficial, o deleite da agitação num tempo de estagnação, e a coragem de agarrar o que quer que contenha em si qualquer coisa de humano, onde quer que cresça." Alfred Kerr

FICHA ARTÍSTICA

Hedda Tesman. Esposada e já enfastiada. Anseia pela beleza no trivial.
Texto: Henrik Ibsen
Tradução: Francis Henrik Aubert
Encenação: Bernardo Beja
Interpretação: Ana Catarina Santos, Beatriz Epifânio, Cláudia Alfaiate, Fábio Batista, Francisco Pereira de Almeida, Gonçalo Botelho e Rita Rocha
Cenografia e Figurinos: Daniela Cardante e Rita Capelo
Desenho de Luz: Diana Especial
Operação de Luz: Pedro Carranquinha
Apoio ao Movimento: Caia Sampaio
Cartaz e Comunicação: Rita Carpinteiro
Fotografias: Duarte Lopes - @birdystudios

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

Parceiro Institucional: República Portuguesa - Ministério da Cultura
Coprodução: Câmara Municipal da Figueira da Foz
Apoio: Fundação Oriente, Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo, Livros Cotovia

 

 
instagram png instagram logo site

cmffpb